A nova versão do documento, lançado em 2015, deverá ser levada à Consulta Nacional em junho.

 

            Recebida com entusiasmo pela sociedade brasileira quando de seu lançamento pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), há dois anos, a ABNT NBR 16365:2015 - Segurança de roupas infantis - Especificações de cordões fixos e cordões ajustáveis em roupas infantis e aviamentos em geral - Riscos físicos está sendo submetida a revisão, em processo comandado pelo Comitê Brasileiro de Têxteis e do Vestuário (ABNT/CB-17). A nova versão deve ser levada à Consulta Nacional em junho.

            A norma especifica os requisitos para cordões fixos e cordões ajustáveis em roupas infantis, incluindo trajes com capuz para crianças com até 14 anos de idade, bem como descreve outros riscos com aviamentos presentes nas roupas. Elaborado com base na norma britânica BS14862/2007, o documento veio possibilitar que se garanta a segurança contra acidentes aos quais os usuários estão expostos ao vestirem certos tipos de roupas.

            A revisão está a cargo de uma Comissão de Estudo, a CE -017.700.003 - Artigos confeccionados incluindo roupas profissionais, da qual participam confecções e magazines – C&A, Pernambucanas, Calvin Klein e YKZ –, a Associação Brasileira de Varejo Têxtil (ABVTex), o Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) por meio do laboratório de seu Centro de Têxteis Técnicos e Manufaturados (Cetim) e o Senai representado pela unidade Francisco Matarazzo e pelo Centro de Tecnologia da Indústria Química e Têxtil (Cetiqt).

            A superintendente do ABNT/CB-17, Maria Adelina Pereira, comenta que a norma tem sido mais aplicada pelos magazines, interessados em demonstrar que seus artigos não oferecem riscos aos pequenos usuários. “Ela é também citada como item importante no Manual de Qualidade de Uniformes Escolares do IPT”, informa.

            Riscos físicos e químicos são abordados em partes distintas da norma, cuja aplicação evita os seguintes acidentes: cadarços e cintos prenderem em escorregadores, provocando enforcamento, ou ficarem presos em portas de automóveis e ônibus causando arrastamento; e engolimento de botões, ponteiras, cursores de zíper, termocolantes, entre outros aviamentos que podem levar a sufocamento. A elaboração da primeira versão teve a participação da ONG Criança Segura e do Instituto Nacional de Metrologia e Qualidade e Tecnologia (Inmetro).

Sobre a ABNT

A ABNT é o Foro Nacional de Normalização, por reconhecimento da sociedade brasileira desde a sua fundação, em 28 de setembro de 1940, e confirmado pelo Governo Federal por meio de diversos instrumentos legais. É responsável pela gestão do processo de elaboração das Normas Brasileiras (NBR), destinadas aos mais diversos setores. A ABNT participa da normalização regional na Associação Mercosul de Normalização (AMN) e na Comissão Pan-Americana de Normas Técnicas (Copant) e da normalização internacional na International Organization for Standardization (ISO) e na International Electrotechnical Commission (IEC), influenciando o conteúdo de normas e procurando garantir condições de competitividade aos produtos e serviços brasileiros, além de exercer seu papel social. Além disso, a ABNT também é um Organismo de Avaliação da Conformidade acreditado pelo Inmetro para a certificação de diversos produtos, sistemas e programas ambientais, como o rótulo ecológico e a verificação de inventários de gases de efeito estufa.

Assessoria de Imprensa

Monalisa Zia

11 3017.3660

imprensa@abnt.org.br