A edição traz as mais recentes mudanças no ambiente de laboratórios de ensaio e calibração.

            A mais conhecida norma técnica internacional sobre competência de laboratórios de ensaio e calibração, a ISO/IEC 17025 acaba de ser publicada em nova versão, que contempla as últimas mudanças nesse ambiente, assim como as práticas mais recentes. No Brasil, o Projeto de Revisão da norma, adotada pela Associação Brasileira de Normas Técnicas como ABNT NBR ISO/IEC 17025 - Requisitos Gerais para Competência de Laboratórios de Ensaio e Calibração, encontra-se em Consulta Nacionalaté o dia 10 de dezembro, e a publicação está prevista para janeiro ou fevereiro de 2018.

            Referência mundial, a ISO/IEC 17025: 2017 possibilita que os laboratórios produzam resultados altamente confiáveis e, dessa forma, demonstrem que são tecnicamente competentes. A norma é fruto de trabalho conjunto da Internacional Organization for Standardization (ISO) e da International Electrotechnical Commission (IEC), sob a gestão do Comitê ISO de Avaliação de Conformidade (ISO/CASCO).

            Esta é a terceira edição da norma, que cancela a versão anterior, de 2005, e traz, entre as principais alterações: a nova definição para laboratório (3.6 - organização que realiza uma ou mais das seguintes atividades: ensaio; calibração; amostragem, associada com ensaio ou calibração subsequente); redução de requisitos prescritivos e sua substituição por requisitos baseados em desempenho, possibilitada pela aplicação da mentalidade de riscos na elaboração da norma; e maior flexibilidade em relação à edição anterior nos requisitos para processos, procedimentos, informação documentada e responsabilidades organizacionais.

            Em seu escopo, a ISO/IEC 17025:2017 especifica os requisitos gerais para a competência, imparcialidade e operação consistente dos laboratórios. É aplicável a todas as organizações que realizam atividades de laboratório, independentemente do número de funcionários.

Foco na competência

            Na introdução da nova ABNT NBR ISO/IEC 17025, é ressaltado que a norma foi desenvolvida com o objetivo de promover a confiança na operação dos laboratórios, porque contém requisitos que lhes permitem demonstrar que operam com competência e são capazes de gerar resultados válidos. Informa ainda que os laboratórios que estejam em conformidade com este documento também operarão, de modo geral, de acordo com os princípios da ISO 9001.

            É destacada também a necessidade de o laboratório planejar e implementar ações para abordar riscos e oportunidades, já que essa atitude estabelece uma base para aumentar a eficácia do sistema de gestão, alcançar melhores resultados e prevenir efeitos negativos. O laboratório é responsável por decidir quais riscos e oportunidades necessitam ser abordados.

            Ao final da introdução é observado que a utilização do documento facilitará a cooperação entre laboratórios e outros organismos e ajudará no intercâmbio de informações e experiências, bem como na harmonização de normas e procedimentos: “A aceitação de resultados entre países é facilitada se os laboratórios estiverem em conformidade com este documento”.

            Para conhecer o Projeto de Revisão em Consulta Nacional, acesse:

http://www.abntonline.com.br/consultanacional/projetfile.aspx?P=26158&F=28122

Capacitação

            Um dos cursos oferecidos pela área de Capacitação da ABNT sobre a norma internacional para laboratórios de ensaio e calibração tem programação para São Paulo e Rio de Janeiro até o final de 2018:

  • Requisitos gerais para competência de laboratórios de ensaio e calibração - ABNT NBR ISO/IEC 17025:2005, destinado a gerentes e supervisores da qualidade e outros profissionais que atuam em Sistemas de Gestão da Qualidade. Seu objetivo é apresentar os requisitos necessários para que laboratórios implementem seu Sistema de Gestão da Qualidade em laboratório, demonstrando dessa forma que têm a competência técnica necessária para assegurar a confiabilidade nos resultados entregues aos clientes. Tem duração de 16 horas, em dois dias, das 8h30 às 17h30. As aulas estarão a cargo dos instrutores Gláucio Issao Horita, em São Paulo, e José Antonio Poli, no Rio de Janeiro.

Turmas para 2018 em São Paulo: 18 e 19 de janeiro; 19 e 20 de fevereiro; 5 e 6 de abril; 14 e 15 de junho; 16 e 17 de agosto; 8 e 9 de outubro; 3 e 4 de dezembro.

Turmas para 2018 no Rio de Janeiro: 22 e 23 de janeiro; 6 e 7 de março; 21 e 22 de maio; 9 e 10 de julho; 10 e 11 de setembro.

Para saber mais sobre este curso, incluindo política de descontos, acesse: http://www.abntcatalogo.com.br/curs.aspx?ID=58

            Sob consulta, é oferecido também o curso Análise e interpretação da Norma ABNT NBR ISO/IEC 17025 - Implantação de sistema de gestão da qualidade em laboratórios de ensaio e calibração, tendo como público alvo todos os profissionais que atuam nessa área. Este é um treinamento de 20 horas em 3 dias consecutivos. Para contratar: http://www.abntcatalogo.com.br/curs.aspx?ID=2218.

            Mais informações sobre os cursos oferecidos pela ABNT podem ser obtidas pelo telefone (11) 2344.1722, ou pelo e-mail cursos@abnt.org.br

Sobre a ABNT

            A ABNT é o Foro Nacional de Normalização, por reconhecimento da sociedade brasileira desde a sua fundação, em 28 de setembro de 1940, e confirmado pelo Governo Federal por meio de diversos instrumentos legais. É responsável pela gestão do processo de elaboração das Normas Brasileiras (NBR), destinadas aos mais diversos setores. A ABNT participa da normalização regional na Associação Mercosul de Normalização (AMN) e na Comissão Pan-Americana de Normas Técnicas (Copant) e da normalização internacional na International Organization for Standardization (ISO) e na International Electrotechnical Commission (IEC), influenciando o conteúdo de normas e procurando garantir condições de competitividade aos produtos e serviços brasileiros, além de exercer seu papel social. Além disso, a ABNT também é um Organismo de Avaliação da Conformidade acreditado pelo Inmetro para a certificação de diversos produtos, sistemas e programas ambientais, como o rótulo ecológico e a verificação de inventários de gases de efeito estufa.

Assessoria de Imprensa

Monalisa Zia

11 3017.3660

imprensa@abnt.org.br

Uma norma técnica específica orienta os ensaios para avaliação da conformidade.

                                                        

Em tempo de economia instável e concorrência forte entre fabricantes de produtos de uso contínuo, buscar um diferencial pode agregar valor e proporcionar visibilidade no mercado. A certificação voluntária é uma ferramenta eficiente para isso, mesmo quando o produto é um saco para acondicionamento de lixo, de amplo uso e facilmente encontrado no comércio, mas que precisa ter qualidade para atender a finalidade à qual se destina.

A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) dispõe de um programa que tem como base a norma ABNT NBR 9191:2008 - Sacos plásticos para acondicionamento de lixo - Requisitos e métodos de ensaio, elaborada pelo Organismo de Normalização Setorial de Embalagem e Acondicionamento Plásticos (ABNT/ONS-051). Os procedimentos contemplam sacos plásticos destinados exclusivamente ao acondicionamento de lixo para coleta.

Uma empresa já ostenta seu Certificado ABNT: é a Fort Lixo Indústria de Embalagens Plásticas, situada no município de Jaú (SP). Mesmo sem obrigatoriedade, a empresa submeteu-se à avaliação e em abril de 2016 foi certificada para o escopo “Sacos para acondicionamento de lixo”.

Os sacos de lixo são fabricados com resinas termoplásticas recicladas, de classe I- Resíduos domiciliares, de todas as cores exceto branco. Devem estar de acordo com a tabela apresentada na norma técnica, que classifica oito tipos de sacos, com dimensões planas (altura e largura em centímetros) e capacidade nominal de 15 a 240 litros ou 3 a 72 quilos.

Empresas interessadas em obter a certificação da ABNT devem fazer contato pelo e-mail certificacao@abnt.org.br. Em seguida receberão a relação de todos os documentos necessários para o processo.

Sobre a ABNT

            A ABNT é o Foro Nacional de Normalização, por reconhecimento da sociedade brasileira desde a sua fundação, em 28 de setembro de 1940, e confirmado pelo Governo Federal por meio de diversos instrumentos legais. É responsável pela gestão do processo de elaboração das Normas Brasileiras (NBR), destinadas aos mais diversos setores. A ABNT participa da normalização regional na Associação Mercosul de Normalização (AMN) e na Comissão Pan-Americana de Normas Técnicas (Copant) e da normalização internacional na International Organization for Standardization (ISO) e na International Electrotechnical Commission (IEC), influenciando o conteúdo de normas e procurando garantir condições de competitividade aos produtos e serviços brasileiros, além de exercer seu papel social. Além disso, a ABNT também é um Organismo de Avaliação da Conformidade acreditado pelo Inmetro para a certificação de diversos produtos, sistemas e programas ambientais, como o rótulo ecológico e a verificação de inventários de gases de efeito estufa.

Assessoria de Imprensa

Monalisa Zia

11 3017.3660

imprensa@abnt.org.br

Está em Consulta Nacional até o dia 08 de janeiro, o Projeto de norma ABNT NBR 10151 - Acústica - Medição e avaliação de níveis de pressão sonora em áreas habitadas - Aplicação de uso geral.

Esta Norma estabelece os procedimentos técnicos a serem adotados na execução de medições de níveis de pressão sonora em ambientes internos e externos às edificações, bem como procedimentos e limites para avaliação dos resultados em função da finalidade de uso e ocupação do solo.

Este 2º Projeto de Revisão foi elaborado pela Comissão de Estudo de Desempenho Acústico de Edificações (CE-002:135.001), que pertence ao Comitê Brasileiro de Construção Civil (ABNT/CB-002).

O ABNT/CB-002 é responsável pela Normalização no campo da construção civil, no que concerne a edificações, compreendendo: terminologia; projeto de estruturas, independente do material da construção; organização de informações de projeto e construção; requisitos geométricos gerais para construção e elementos construtivos, incluindo coordenação modular e seus princípios básicos regras gerais para juntas, limites e tolerâncias; regras gerais para outros requisitos de desempenho de construção e sistemas construtivos incluindo a coordenação destes com os requisitos de desempenho; projeto de ambiente interno de novos edifícios e modernização de existentes visando a sustentabilidade (incluindo conservação de energia e eficiência energética). Ambiente interno inclui fatores térmicos, acústicos e visuais e qualidade de ar; projeto e execução de obras e serviços da construção, visando a segurança de trabalhadores; gerenciamento e custos da construção, incluindo estudos de viabilidade, orçamentos, organização do empreendimento, contratação, recebimento de obras e serviços; manutenção de edificações incluindo elaboração de manuais de uso e avaliação pós-ocupação. 

Para participar da Consulta Nacional, acesse: http://www.abntonline.com.br/consultanacional/. Pesquisar por Comitê - ABNT/CB-002 Construção Civil, Clique na lupa (visualizar). Faça o login, caso não possua clique em “Criar meu ABNT Passaporte gratuitamente”.

Vale ressaltar que a participação nas Comissões de Estudo e Comitês Brasileiros da ABNT é voluntária e aberta a qualquer interessado. Para participar do ABNT/CB-002 envie um email para alvaro.almeida@abnt.org.br.

Sobre a ABNT

    A ABNT é o Foro Nacional de Normalização, por reconhecimento da sociedade brasileira desde a sua fundação, em 28 de setembro de 1940, e confirmado pelo Governo Federal por meio de diversos instrumentos legais. É responsável pela gestão do processo de elaboração das Normas Brasileiras (NBR), destinadas aos mais diversos setores. A ABNT participa da normalização regional na Associação Mercosul de Normalização (AMN) e na Comissão Pan-Americana de Normas Técnicas (Copant) e da normalização internacional na International Organization for Standardization (ISO) e na International Electrotechnical Commission (IEC), influenciando o conteúdo de normas e procurando garantir condições de competitividade aos produtos e serviços brasileiros, além de exercer seu papel social. Além disso, a ABNT também é um Organismo de Avaliação da Conformidade acreditado pelo Inmetro para a certificação de diversos produtos, sistemas e programas ambientais, como o rótulo ecológico e a verificação de inventários de gases de efeito estufa.

Assessoria de Imprensa

Monalisa Zia
imprensa@abnt.org.br
11 3017.3660

Estão em Consulta Nacional até os dias 20 e 25 de dezembro, respectivamente, os Projetos de normas ABNT NBR ISO 374-5 – Luvas de proteção contra produtos químicos perigosos e microrganismos – Parte 5: Terminologia e requisitos de desempenho para riscos de microrganismos e ABNT NBR ISO 374-1 – Luvas de proteção contra produtos químicos e micro-organismos – Parte 1: Terminologia e requisitos de desempenho para riscos químicos.

O Projeto de norma ABNT NBR ISO 374-5, com número de Texto-Base 032:006.001-024/5, especifica os requisitos e métodos de ensaio para luvas de proteção destinadas a proteger o usuário contra microrganismos.

Já o Projeto de norma ABNT NBR ISO 374-1, com número de Texto-Base 032:006.001-024/1, especifica os requisitos para luvas de proteção destinadas a proteger o usuário contra produtos químicos perigosos e define os termos a serem utilizados.

Ambos foram elaborados pela Comissão de Estudo de Luvas e Vestimentas de Proteção –Riscos Gerais (CE-032:006.001), que pertence ao Comitê Brasileiro de Equipamentos de Proteção Individual (ABNT/CB-032), responsável pela normalização Normalização no campo de equipamentos de proteção individual compreendendo vestimentas e equipamentos individuais destinados a proteção de pessoas contra riscos, tais como: proteção respiratória, proteção auditiva, capacete de segurança, luvas de segurança, óculos de segurança e cinturões de segurança, no que concerne a terminologia, requisitos, métodos de ensaio e generalidades. Excluindo-se a normalização de equipamentos de proteção individual para a área de radiação nuclear, que é de responsabilidade do ABNT/CB-20. 

Para participar da Consulta Nacional, acesse: http://www.abntonline.com.br/consultanacional/. Pesquisar por Comitê - ABNT/CB-032 Equipamentos de Proteção Individual, Clique na lupa (visualizar). Faça o login, caso não possua clique em “Criar meu ABNT Passaporte gratuitamente”.

Vale ressaltar que a participação nas Comissões de Estudo e Comitês Brasileiros da ABNT é voluntária e aberta a qualquer interessado. Para participar do ABNT/CB-032 envie um email para eduardo.lima@abnt.org.br.

Sobre a ABNT

    A ABNT é o Foro Nacional de Normalização, por reconhecimento da sociedade brasileira desde a sua fundação, em 28 de setembro de 1940, e confirmado pelo Governo Federal por meio de diversos instrumentos legais. É responsável pela gestão do processo de elaboração das Normas Brasileiras (NBR), destinadas aos mais diversos setores. A ABNT participa da normalização regional na Associação Mercosul de Normalização (AMN) e na Comissão Pan-Americana de Normas Técnicas (Copant) e da normalização internacional na International Organization for Standardization (ISO) e na International Electrotechnical Commission (IEC), influenciando o conteúdo de normas e procurando garantir condições de competitividade aos produtos e serviços brasileiros, além de exercer seu papel social. Além disso, a ABNT também é um Organismo de Avaliação da Conformidade acreditado pelo Inmetro para a certificação de diversos produtos, sistemas e programas ambientais, como o rótulo ecológico e a verificação de inventários de gases de efeito estufa.


Assessoria de Imprensa
Monalisa Zia
imprensa@abnt.org.br
11 3017.3660

Os primeiros documentos foram publicados pela ABNT em 2007 e logo receberam reconhecimento internacional.

         Desde a publicação do primeiro conjunto de normas técnicas, em 2007, o trabalho da Comissão de Estudo Especial de Televisão Digital (ABNT/CEE-085) para implantação do Sistema Brasileiro de Televisão Digital (SBTVD) despertou a atenção de vários países, interessados em também fazer a transição da transmissão analógica para a digital. Agora, completam-se dez anos do lançamento das normas – foi em 30 de novembro – e da primeira transmissão oficial, que aconteceu em São Paulo, em 2 de dezembro de 2007.

         O Peru foi o primeiro país, na América Latina, a anunciar a adoção do sistema desenvolvido no Brasil, em 2009. No mesmo ano, a União Internacional de Telecomunicações (International Telecommunication Union - ITU) recomendou que os documentos brasileiros fossem considerados referências mundiais. Atualmente, 18 países adotam o modelo.

         As Normas Brasileiras foram elaboradas com base na normalização pioneira, do Japão, que estabeleceu o ISDB-T (Integrated Systems Digital Broadcasting Terrestrial), utilizado desde 2002. São resultado de anos de dedicação e esforço da ABNT/CEE-085 e do Fórum do Sistema Brasileiro de TV Digital (Fórum SBTVD), que é integrado por membros da área de radiodifusão, fabricantes de equipamentos de recepção, transmissão, indústria de software, instituições de ensino e pesquisa e representantes do governo federal.

         “A contribuição daqueles que até aqui participaram da construção desse trabalho jamais será esquecida. Que venham outros anos e mais inovação”, comemora José Marcelo do Amaral, presidente do Fórum SBTVD.

         O processo de transição deverá terminar em 2018, consolidando o SBTVD. Portaria do Ministério das Comunicações condiciona o desligamento da transmissão analógica dos serviços de radiodifusão de sons e imagens e de retransmissão de televisão a que, pelo menos, 93% dos domicílios dos municípios que acessem o serviço livre, aberto e gratuito por transmissão terrestre estejam aptos à recepção da televisão digital.

         As famílias inscritas em programas sociais do Governo, como Bolsa Família, Minha Casa Minha Vida e Tarifa Social de Energia Elétrica, recebem kit gratuito com antena, conversor e controle remoto.

         O conjunto de nove normas técnicas para o SBTVD, algumas com várias partes, soma hoje 25 documentos. Confira as que foram lançadas pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) há dez anos:

  • ABNT NBR 15601:2007 - Televisão digital terrestre - Sistema de transmissão
  • ABNT NBR 15602-1:2007 - Televisão digital terrestre - Codificação de áudio, vídeo e multiplexação. Parte 1: Codificação de vídeo
  • ABNT NBR 15602-2:2007 - Televisão digital terrestre - Codificação de vídeo, áudio e multiplexação. Parte 2: Codificação de áudio
  • ABNT NBR 15602-3:2007 - Televisão digital terrestre - Codificação de vídeo, áudio e multiplexação. Parte 3: Sistemas de multiplexação de sinais
  • ABNT NBR 15603-1:2007 - Televisão digital terrestre - Multiplexação e serviços de informação (SI). Parte 1: SI do sistema de radiodifusão
  • ABNT NBR 15603-2:2007 - Televisão digital terrestre - Multiplexação e serviços de informação (SI). Parte 2: Estrutura de dados e definições da informação básica de SI
  • ABNT NBR 15603-3:2007 - Televisão digital terrestre - Multiplexação e serviços de informação (SI). Parte 3: Sintaxes e definições de informação estendida do SI
  • ABNT NBR 15604:2007 - Televisão digital terrestre – Receptores
  • ABNT NBR 15606-1:2007 - Televisão digital terrestre - Codificação de dados e especificações da transmissão para radiodifusão digital. Parte 1: Codificação de dados
  • ABNT NBR 15606-2:2007 - Televisão digital terrestre - Codificação de dados e especificações de transmissão para radiodifusão digital. Parte 2: Ginga-NCL para receptores fixos e móveis - Linguagem de aplicação XML para codificação de aplicações
  • ABNT NBR 15606-3:2007 - Televisão digital terrestre - Codificação de dados e especificações de transmissão para radiodifusão digital. Parte 3: Especificação de transmissão de dados


Sobre a ABNT

         A ABNT é o Foro Nacional de Normalização, por reconhecimento da sociedade brasileira desde a sua fundação, em 28 de setembro de 1940, e confirmado pelo Governo Federal por meio de diversos instrumentos legais. É responsável pela gestão do processo de elaboração das Normas Brasileiras (NBR), destinadas aos mais diversos setores. A ABNT participa da normalização regional na Associação Mercosul de Normalização (AMN) e na Comissão Pan-Americana de Normas Técnicas (Copant) e da normalização internacional na International Organization for Standardization (ISO) e na International Electrotechnical Commission (IEC), influenciando o conteúdo de normas e procurando garantir condições de competitividade aos produtos e serviços brasileiros, além de exercer seu papel social. Além disso, a ABNT também é um Organismo de Avaliação da Conformidade acreditado pelo Inmetro para a certificação de diversos produtos, sistemas e programas ambientais, como o rótulo ecológico e a verificação de inventários de gases de efeito estufa.

 

Assessoria de Imprensa

 

Monalisa Zia

11 3017.3660

imprensa@abnt.org.br

Está em Consulta Nacional até o dia 17 de janeiro de 2018, o Projeto de Norma ABNT NBR 16671 - Móveis escolares — Cadeiras escolares com superfície de trabalho acoplada — Dimensões, requisitos e métodos de ensaio.

Este Projeto foi elaborado pela Comissão de Estudo de Móveis Escolares (CE-015:005.001), do Comitê Brasileiro do Mobiliário (ABNT/CB-015), com número de Texto-Base 015:005.001-001.

Esta Norma estabelece os requisitos mínimos dimensionais, de ergonomia, estabilidade, resistência, durabilidade e segurança, e os métodos de ensaio para cadeiras escolares com superfície de trabalho acoplada, frontal e lateral, para ambientes de ensino. Não se aplica a poltronas para auditórios. Esta Norma não se aplica a cadeiras com superfície de trabalho para pessoas obesas.

O ABNT/CB-015 é responsável pela Normalização no campo do mobiliário compreendendo unidades móveis e embutidas e acessórios, no que concerne a terminologia, requisitos, métodos de ensaio e generalidades. 

Para participar, acesse: http://www.abntonline.com.br/consultanacional/. Pesquisar por Comitê - ABNT/CB-015 Mobiliário Clique na lupa (visualizar). Faça o login, caso não possua clique em “Criar meu ABNT Passaporte gratuitamente”.

Vale ressaltar que a participação nas Comissões de Estudo e Comitês Brasileiros da ABNT é voluntária e aberta a qualquer interessado. Para participar do ABNT/CB-015 envie um email para rafael.ramos@abnt.org.br.

Sobre a ABNT

    A ABNT é o Foro Nacional de Normalização, por reconhecimento da sociedade brasileira desde a sua fundação, em 28 de setembro de 1940, e confirmado pelo Governo Federal por meio de diversos instrumentos legais. É responsável pela gestão do processo de elaboração das Normas Brasileiras (NBR), destinadas aos mais diversos setores. A ABNT participa da normalização regional na Associação Mercosul de Normalização (AMN) e na Comissão Pan-Americana de Normas Técnicas (Copant) e da normalização internacional na International Organization for Standardization (ISO) e na International Electrotechnical Commission (IEC), influenciando o conteúdo de normas e procurando garantir condições de competitividade aos produtos e serviços brasileiros, além de exercer seu papel social. Além disso, a ABNT também é um Organismo de Avaliação da Conformidade acreditado pelo Inmetro para a certificação de diversos produtos, sistemas e programas ambientais, como o rótulo ecológico e a verificação de inventários de gases de efeito estufa.


Assessoria de Imprensa
Monalisa Zia
imprensa@abnt.org.br
11 3017.3660

A publicação está prevista para 2018, contendo as competências para todos os perfis dessa categoria profissional.

            Com o título “Qualificação profissional do vidraceiro”, o Projeto de Norma 099:004.004-001 vem sendo estruturado por especialistas do Comitê Brasileiro de Vidros Planos (ABNT/CB-037). O objetivo é especificar os requisitos básicos necessários para que o vidraceiro possa entregar produtos de excelência aos seus clientes.

            A Comissão de Estudo encarregada do projeto, entretanto, resolveu ir além da proposta original da futura norma, que contemplaria apenas o perfil de competências necessárias para a instalação dos vidros.

            Agora, a abrangência da norma está sendo ampliada para outras atividades também pertinentes ao vidraceiro, como a especificação de vidros, a logística (gerenciamento do transporte dos produtos) e a elaboração de orçamentos. As competências para todos esses perfis do vidraceiro no Brasil serão definidas ao longo de 2018, em colaboração com o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai).

            Os profissionais do setor ainda podem contribuir na elaboração da futura norma. Basta enviar e-mail para cb37@abnt.org.br e solicitar a inclusão na Comissão de Estudo e acompanhar a agenda de reuniões.

            Quem não puder comparecer pessoalmente tem duas formas de participar da elaboração da norma. A primeira é enviando sugestões para o endereço eletrônico do Comitê. A segunda é a participação em tempo real pela Internet. Nesse caso é preciso enviar um e-mail para cb37@abnt.org.br e informar o interesse em fazer parte das reuniões. Então, receberá um convite com um link para acesso à ferramenta, por meio de download.

            O ABNT/CB-037 é responsável pela Normalização no campo de vidros planos, compreendendo materiais e propriedades dimensionais no que concerne a terminologia, requisitos, métodos de ensaio e generalidades. Atualmente, há 37 normas técnicas publicadas. Sua Secretaria Técnica é exercida desde 1998 pela Associação Brasileira de Distribuidores e Processadores de Vidros Planos (Abravidro).

            A atuação da Abravidro em normalização estende­-se ao Mercosul, sendo responsável também pela Secretaria ­Técnica do Comitê Setorial Mercosul de Vidros Planos (CSM 21). Esse trabalho conta com a participação das outras câmaras do vidro e organismos de normalização dos países membros do bloco econômico.

Publicações

            A ABNT Editora organizou duas Coletâneas Eletrônicas de Normas Técnicas: uma sobre vidro para construção civil e setor moveleiro; e outra sobre vidros de segurança para o setor automotivo.

            A primeira coletânea reúne 15 normas técnicas com os requisitos para projeto, execução e aplicações de vidros na construção civil e o método de ensaio necessários para garantir a segurança da aplicação do vidro na composição de sistemas de prateleiras. Com 389 páginas, a publicação pode ser adquirida pelo link: http://www.abntcatalogo.com.br/pub.aspx?ID=2965

            A segunda coletânea, com 226 páginas, contém 16 normas técnicas que tratam de vidro de segurança, particular, para os vidros utilizados em automóveis. A aquisição pode ser feita pelo link: http://www.abntcatalogo.com.br/pub.aspx?ID=2970

Sobre a ABNT

            A ABNT é o Foro Nacional de Normalização, por reconhecimento da sociedade brasileira desde a sua fundação, em 28 de setembro de 1940, e confirmado pelo Governo Federal por meio de diversos instrumentos legais. É responsável pela gestão do processo de elaboração das Normas Brasileiras (NBR), destinadas aos mais diversos setores. A ABNT participa da normalização regional na Associação Mercosul de Normalização (AMN) e na Comissão Pan-Americana de Normas Técnicas (Copant) e da normalização internacional na International Organization for Standardization (ISO) e na International Electrotechnical Commission (IEC), influenciando o conteúdo de normas e procurando garantir condições de competitividade aos produtos e serviços brasileiros, além de exercer seu papel social. Além disso, a ABNT também é um Organismo de Avaliação da Conformidade acreditado pelo Inmetro para a certificação de diversos produtos, sistemas e programas ambientais, como o rótulo ecológico e a verificação de inventários de gases de efeito estufa.

Assessoria de Imprensa
Monalisa Zia
imprensa@abnt.org.br
11 3017.3660

 

Evitar riscos a todos os envolvidos no Carnaval é o principal objetivo das normas que serão criadas para Carros Alegóricos.


Com o objetivo de discutir a Normalização de carros alegóricos, compreendendo desde o seu projeto inicial, construção, operação e manutenção, envolvendo assim seus aspectos
estruturais, elétricos, de mobilidade e qualificação dos profissionais envolvidos, a ABNT instalou a Comissão de Estudo Especial de Carros Alegóricos (ABNT/CEE-233).

Devido à importância do assunto para a sociedade e para contribuir com a diminuição de riscos, garantindo assim, uma operação dentro de padrões aceitáveis de segurança, a reunião aconteceu no auditório da ABNT, no Rio de Janeiro, e contou com a participação de representantes de entidades como o Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro), Associação Brasileira dos Fabricantes de Brinquedos (Abrinq), Liga Independente das Escolas de Samba do Rio de Janeiro (Liesa), Liga das Escolas de Samba de São Paulo (Liga SP), Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Rio de Janeiro (Crea RJ), Instituto de Tecnologia MHC, Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (Cefet RJ) e Associação Brasileira de Avaliação da Conformidade (Abrac).

Em pauta, três textos-base já foram sugeridos para serem discutidos pelos participantes da Comissão, são eles:

TEXTO-BASE 233:000.000-001 , Carros Alegóricos – Terminologia e Classificação        

TEXTO-BASE 233:000.000-002 , Carros Alegóricos – Produção

TEXTO-BASE 233:000.000-003 , Carros Alegóricos – Operação

Em paralelo aos trabalhos da Comissão, estão sendo realizados pelo Inmetro, painéis setoriais, que discutem sobre Normas Técnicas como ferramenta de suporte à segurança de Carros Alegóricos.

Vale ressaltar que a participação nas Comissões de Estudo e Comitês Brasileiros da ABNT é voluntária e aberta a qualquer interessado. Para participar da ABNT/CEE-233 envie um email para antonio.cordeiro@abnt.org.br">antonio.cordeiro@abnt.org.br.

Sobre a ABNT

    A ABNT é o Foro Nacional de Normalização, por reconhecimento da sociedade brasileira desde a sua fundação, em 28 de setembro de 1940, e confirmado pelo Governo Federal por meio de diversos instrumentos legais. É responsável pela gestão do processo de elaboração das Normas Brasileiras (NBR), destinadas aos mais diversos setores. A ABNT participa da normalização regional na Associação Mercosul de Normalização (AMN) e na Comissão Pan-Americana de Normas Técnicas (Copant) e da normalização internacional na International Organization for Standardization (ISO) e na International Electrotechnical Commission (IEC), influenciando o conteúdo de normas e procurando garantir condições de competitividade aos produtos e serviços brasileiros, além de exercer seu papel social. Além disso, a ABNT também é um Organismo de Avaliação da Conformidade acreditado pelo Inmetro para a certificação de diversos produtos, sistemas e programas ambientais, como o rótulo ecológico e a verificação de inventários de gases de efeito estufa.


Assessoria de Imprensa
Monalisa Zia
imprensa@abnt.org.br
11 3017.3660

Na ABNT e na ISO, especialistas trabalham intensamente para garantir ao segmento o mais atualizado conjunto de normas técnicas.

            O Subcomitê de Turismo de Aventura, que atua no âmbito do Comitê Brasileiro de Turismo (ABNT/CB-054), realizou em novembro a sua 200ª reunião, marcando uma trajetória de 13 anos dedicados à Normalização para esse segmento. Em atividade desde 2004, o Subcomitê é responsável pela elaboração de 32 das 74 normas para turismo publicadas pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).

            No ABNT/CB-054, oito Comissões de Estudo trabalham atualmente em projetos de normas ou revisão, nas seguintes modalidades: quadriciclo/triciclo; canionismo e cachoeirismo; bungee jump; rafting; arvorismo (revisão das 2 normas); mergulho (futuras normas ISO 21416 e ISO 21417 sobre sustentabilidade em mergulho, além da revisão de 7 normas ABNT NBR ISO e a nova ISO 13293, sobre gás blender); sustentabilidade em turismo de aventura (futura ISO 20611); e cicloturismo.

            Em Consulta Nacional, processo pelo qual o documento é submetido à apreciação da sociedade, encontra-se, até o próximo dia 3 de dezembro, uma norma de Cicloturismo – Parte 2: Classificação de percursos. Em breve, também será disponibilizada mais uma norma de mergulho (gás blender).

            Em nível internacional, a mobilização é igualmente intensa. O Brasil responde pela Secretaria Técnica do Grupo de Trabalho de Turismo de Aventura na ISO (ISO/TC228 – WG 7 – Adventure Tourism), desde a sua criação, há cerca de sete anos e tem como coordenador um brasileiro, Daniel Spinelli. Ali está sendo elaborada a futura norma ISO 20611, sobre boas práticas de sustentabilidade.

            “Enviaremos comentários dos especialistas brasileiros para que sejam avaliados na próxima reunião, que acontecerá em maio de 2018 em Buenos Aires, na Argentina”, informa Leonardo Persi, coordenador do Subcomitê de Turismo de Aventura, cuja Secretaria Técnica é exercida, desde 2008, pela Associação Brasileira das Empresas de Ecoturismo e Turismo de Aventura (Abeta).

            Em outro Subcomitê, o ISO/TC228 – WG1 – Diving Services, estão sendo elaboradas as futuras normas ISO 21416 e ISO 21417, sobre mergulho recreativo, focadas em sustentabilidade. Os brasileiros já enviaram os comentários aos projetos, que foram discutidos em reunião realizada em novembro, em Orlando (EUA).

            “E estamos aguardando a publicação no Diário Oficial da União da consulta pública da portaria do RTAC (Regulamento Técnico de Avaliação da Conformidade) do Inmetro, para atualizar a certificação pela norma ABNT NBR ISO 21101:2014”, comenta Persi. Ele complementa que a consulta se estenderá por 30 dias.

Normas por atividades

            Para orientar os empresários do setor, apresentamos as normas que devem ser aplicadas para as diversas atividades de turismo de aventura, conforme rege a Lei Geral do Turismo (Lei nº 11.771/2008).

NORMAS ESPECÍFICAS

Caminhada

  • ABNT NBR 15398:2006 – Turismo de aventura - Condutores de caminhada de longo curso - Competências de pessoal
  • ABNT NBR 15505-1:2008 – Turismo com atividade de caminhada - Parte 1: Requisitos para produto
  • ABNT NBR 15505-2:2008 – Turismo com atividade de caminhada - Parte 2: Classificação

Cavalgada

  • ABNT NBR 15507-1:2008 – Turismo equestre - Parte 1: Requisitos para produto
  • ABNT NBR 15507-2:2008 – Turismo equestre - Parte 2: Classificação de percursos

 

Cicloturismo

 

  • ABNT NBR 15509-1:2007 – Cicloturismo - Parte 1: Requisitos para produto

 

Rafting

 

  • ABNT NBR 15370:2006 – Turismo de aventura - Condutores de rafting - Competências de pessoal

Turismo com veículos motorizados

  • ABNT NBR 15383:2006 – Turismo de aventura - Condutores de turismo fora-de-estrada em veículos 4x4 ou bugues - Competências de pessoal
  • ABNT NBR 15453:2006 – Turismo de aventura - Turismo fora-de-estrada em veículos 4x4 ou bugues - Requisitos para produto

 

Montanhismo e escalada

 

  • ABNT NBR 15397:2006 – Turismo de aventura - Condutores de montanhismo e de escalada - Competência de pessoal
  • ABNT NBR 15398:2006 – Turismo de aventura - Condutores de caminhada de longo curso - Competências de pessoal
  • ABNT NBR 15501:2011 – Turismo de aventura — Técnicas verticais — Requisitos para produto
  • ABNT NBR 15502:2011 – Turismo de aventura — Técnicas verticais — Procedimentos

 

 

Espeleoturismo

 

  • ABNT NBR 15399:2006 – Turismo de aventura - Condutores de Espeleoturismo de aventura - Competências de pessoal
  • ABNT NBR 15503:2008 – Turismo de aventura - Espeleoturismo de aventura - Requisitos para produto
  • ABNT NBR 15501:2011 – Turismo de aventura — Técnicas verticais — Requisitos para produto
  • ABNT NBR 15502:2011 – Turismo de aventura — Técnicas verticais — Procedimentos

 

 

Canionismo e Cachoeirismo

 

  • ABNT NBR 15400:2006 – Turismo de aventura - Condutores de canionismo e cachoeirismo - Competência de pessoal
  • ABNT NBR 15501:2011 – Turismo de aventura — Técnicas verticais — Requisitos para produto
  • ABNT NBR 15502:2011 – Turismo de aventura — Técnicas verticais — Procedimentos

Técnicas verticais (inclui Cachoeirismo, Tirolesa, Rapel e Escalada)

  • ABNT NBR 15501:2011 – Turismo de aventura — Técnicas verticais — Requisitos para produto
  • ABNT NBR 15502:2011 – Turismo de aventura — Técnicas verticais — Procedimentos

 

Arvorismo

 

  • ABNT NBR 15508-1:2011 – Turismo de aventura — Parque de arvorismo - Parte 1: Requisitos das instalações físicas
  • ABNT NBR 15508-2:2011 – Turismo de aventura — Parque de arvorismo - Parte 2: Requisitos de operação
  • ABNT NBR 15501:2011 – Turismo de aventura — Técnicas verticais — Requisitos para produto
  • ABNT NBR 15502:2011 – Turismo de aventura — Técnicas verticais — Procedimentos

Mergulho recreativo

 

  • ABNT NBR ISO 11107:2012 - Serviços de mergulho recreativo — Requisitos para programas de treinamento no mergulho com nitrox — ar enriquecido (EAN)
  • ABNT NBR ISO 11121:2012 - Serviços de mergulho recreativo — Requisito para programas de treinamento introdutório ao mergulho autônomo
  • ABNT NBR ISO 13289:2012 - Serviços de mergulho recreativo — Requisitos para condução de atividades de snorkeling
  • ABNT NBR ISO 13970:2012 - Serviços de mergulho recreativo — Requisitos para treinamento de condutores de snorkeling
  • ABNT NBR ISO 24801-1:2008 - Serviços de mergulho recreativo - Requisitos mínimos relativos à segurança para o treinamento de mergulhadores
  • ABNT NBR ISO 24801-2:2008 - Serviços de mergulho recreativo - Requisitos mínimos relativos à segurança para o treinamento de mergulhadores autônomos
  • ABNT NBR ISO 24801-3:2008 - Serviços de mergulho recreativo - Requisitos mínimos relativos à segurança para o treinamento de mergulhadores autônomos
  • ABNT NBR ISO 24802-1:2008 - Serviços de mergulho recreativo - Requisitos mínimos relativos à segurança para o treinamento de instrutores de mergulho autônomo
  • ABNT NBR ISO 24803:2008 - Serviços de mergulho recreativo - Requisitos para prestadores de serviços de mergulho autônomo recreativo

 

Para todas as atividades de turismo de aventura, incluindo, naturalmente, aquelas que ainda não têm normas específicas, devem ser aplicadas as seguintes normas transversais:

 

  • ABNT NBR 15285:2015 – Turismo de aventura - Líderes - Competência de pessoal
  • ABNT NBR ISO 21101:2014 – Turismo de aventura — Sistemas de gestão da segurança — Requisitos
  • ABNT NBR ISO 21103:2014 – Turismo de aventura — Informações para participantes
  • ABNT NBR 15500:2014 – Turismo de aventura — Terminologia

            As normas técnicas de turismo estão em: www.abntcatalogo.com.br. No mesmo serviço (http://www.abntcatalogo.com.br/pubgrid.aspx) são encontradas coletâneas de normas eletrônicas para o setor. Para conhecer os projetos submetidos à apreciação da sociedade, acesse: www.abnt.org.br/consultanacional


Sobre a ABNT

    A ABNT é o Foro Nacional de Normalização, por reconhecimento da sociedade brasileira desde a sua fundação, em 28 de setembro de 1940, e confirmado pelo Governo Federal por meio de diversos instrumentos legais. É responsável pela gestão do processo de elaboração das Normas Brasileiras (NBR), destinadas aos mais diversos setores. A ABNT participa da normalização regional na Associação Mercosul de Normalização (AMN) e na Comissão Pan-Americana de Normas Técnicas (Copant) e da normalização internacional na International Organization for Standardization (ISO) e na International Electrotechnical Commission (IEC), influenciando o conteúdo de normas e procurando garantir condições de competitividade aos produtos e serviços brasileiros, além de exercer seu papel social. Além disso, a ABNT também é um Organismo de Avaliação da Conformidade acreditado pelo Inmetro para a certificação de diversos produtos, sistemas e programas ambientais, como o rótulo ecológico e a verificação de inventários de gases de efeito estufa.

Assessoria de Imprensa

Monalisa Zia
imprensa@abnt.org.br
11 3017.3660

A ABNT NBR 15401:2014 fornece a base para novo trabalho internacional visando à sustentabilidade em meios de hospedagem.

 

    Ano do Turismo Sustentável declarado pela Organização das Nações Unidas (ONU), 2017 deixa marca importante também para a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). A norma ABNT NBR 15401:2014 - Meios de hospedagem — Sistema de gestão da sustentabilidade — Requisitos está sendo utilizada como base para uma nova norma da International Organization for Standardization (ISO), identificada por enquanto como ISO/CD 21401 - Accommodation facilities -- Sustainability management system – Requirements. A publicação está prevista para o início do segundo semestre de 2018.

    Para Alexandre Garrido, representante do Brasil no Comitê Técnico de Turismo e Serviços Relacionados da ISO (ISO/TC 228 – Tourism and related services) e coordenador do  Grupo de Trabalho de Turismo Sustentável (WG 13 – Sustainable Tourism) desde maio do ano passado, a escolha da ABNT NBR 15401:2014 tem significado importante para o Brasil.

    “Há muitos países trabalhando com o tema Turismo Sustentável e o fato de a norma brasileira servir de base para uma norma internacional reforça a nossa liderança no assunto”, avalia Garrido, observando que este tema vem ganhando cada vez mais importância no cenário do turismo. Ele, por sinal, participou da elaboração da ABNT NBR 15401:2014 e desde 2012 coordena a Comissão de Estudo de Gestão da Sustentabilidade para Meios de Hospedagem, no Comitê Brasileiro de Turismo (ABNT/CB-054).

    A elaboração da norma internacional avançou um pouco mais neste mês de outubro, quando o WG 13 - Sustainable Tourism esteve reunido em Madri, na Espanha, no dia 18, e analisou comentários para aprimoramento do texto. Mais dois grupos de trabalho tiveram reuniões na capital espanhola: o WG 14 - Accessible Tourism (nos dias 16 e 17) e o WG 15- Accommodation (nos dias 19 e 20).  

    O WG 13 foi criado e começou a funcionar em maio de 2016 e já teve quatro reuniões:  Kuala Lumpur, na Malásia; Rio de Janeiro, no Brasil; Cidade do Panamá, no Panamá; e a mais recente em Madri. O WG 14 foi criado e começou a trabalhar em fevereiro de 2016 e está se dedicando a um projeto de norma sobre turismo acessível, identificado como ISO/AWI (Approved Work Item) 21902 - Tourism and related services -- Accessible tourism for all -- Requirements and recommendations. Por sua vez, o WG 15 iniciou suas atividades em maio de 2017 e está trabalhando em projeto de norma sobre serviços de hotelaria.  

Várias etapas

    O processo de normalização da ISO compreende várias fases. Depois que o projeto de norma enviado como proposta é aprovado, ocorre a reunião do Grupo de Trabalho para avaliar os comentários recebidos ao texto (independentemente do voto de cada país todos podem enviar quantos comentários desejarem). “Na reunião analisamos cada comentário e decidimos se o aceitamos ou não”, explica Garrido.

    Na etapa seguinte o texto é revisado e em seguida colocado para nova rodada de comentários. À medida que o processo avança, o documento vai passando para diferentes estágios, em cada um deles vai aumentando o público que pode enviar comentários. Por exemplo, no estagio WD - Working Draft somente os membros cadastrados no grupo podem comentar; no estágio CD - Commitee Dratf os membros de todo o TC 228 podem enviar comentários.

    “Na reunião de 18 de outubro, decidimos avançar para o último estágio, chamado de DIS - Draft International Standard, no qual todos os membros da ISO, de todos os Comitês podem enviar comentários”, informa o coordenador.  Entre novembro deste ano e janeiro de 2018 o documento entra em votação para virar DIS e deverá receber comentários. “Na próxima reunião, prevista para a primeira semana de maio de 2018, em Buenos Aires, na Argentina, deveremos analisar os comentários recebidos e, se der tudo certo finalizar o documento”.

Sobre o ISO/TC 228

    Criado em 2005, o ISO/TC 228 tem liderança compartilhada pelos organismos de normalização da Espanha e da Tunísia e a participação de 99 países e 21 organizações. Já publicou 25 normas e atualmente tem 14 projetos em desenvolvimento, sobre temas que vão de mergulho, turismo de saúde e de aventura a portos para iates. Em sua estrutura funcionam oito grupos de trabalho (WG) e um grupo consultivo (Chair Advisory Group), que auxilia a presidência e a secretaria do Comitê em assuntos como coordenação e planejamento dos trabalhos.

    O Brasil participa deste Comitê desde o princípio, liderando o Grupo de Trabalho de Turismo de Aventura (WG 7 – Adventure tourism), no qual foram desenvolvidos e publicados três documentos, com base em normas brasileiras: ISO 21101:2014 - Adventure tourism -- Safety management systems – requirements, ISO 21103:2014 - Adventure tourism -- Information for participants e ISO/TR 21102:2013 - Adventure tourism -- Leaders -- Personnel competence. Sob coordenação do brasileiro Daniel Spinelli, atualmente, o WG 7 está desenvolvendo um novo projeto de norma sobre sustentabilidade, a ISO/DIS 26011 - Adventure tourism -- Sustainability good practices -- Requirements and recommendations.

Sobre a ABNT

    A ABNT é o Foro Nacional de Normalização, por reconhecimento da sociedade brasileira desde a sua fundação, em 28 de setembro de 1940, e confirmado pelo Governo Federal por meio de diversos instrumentos legais. É responsável pela gestão do processo de elaboração das Normas Brasileiras (NBR), destinadas aos mais diversos setores. A ABNT participa da normalização regional na Associação Mercosul de Normalização (AMN) e na Comissão Pan-Americana de Normas Técnicas (Copant) e da normalização internacional na International Organization for Standardization (ISO) e na International Electrotechnical Commission (IEC), influenciando o conteúdo de normas e procurando garantir condições de competitividade aos produtos e serviços brasileiros, além de exercer seu papel social. Além disso, a ABNT também é um Organismo de Avaliação da Conformidade acreditado pelo Inmetro para a certificação de diversos produtos, sistemas e programas ambientais, como o rótulo ecológico e a verificação de inventários de gases de efeito estufa.

Assessoria de Imprensa

Monalisa Zia
imprensa@abnt.org.br
11 3017.3660