Dep. Afonso Motta (PDT/RS) e Vice-presidente na Câmara, Dep. Esperidião Amin (PP/SC), Dep. João Paulo Papa (PSDB/SP) e Presidente, Fernando Figueiredo – Presidente Executivo da Abiquim, Dep. Nelson Marquezelli (PTB/SP), Carlos Santos Amorim Junior – Diretor de Relações Externas da ABNT e André Passos Cordeiro – Relações Institucionais da Innova.

 

A convite da Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim), secretaria técnica do Comitê Brasileiro de Química (ABNT/CB-010), a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) participou de café da manhã realizado pela FPQuímica, no dia 10 de maio, na Câmara dos Deputados, em Brasília (DF), que teve como tema “Brasil – O desafio da competitividade”.

Na oportunidade, Carlos Santos Amorim Jr., Diretor de Relações Externas da ABNT, falou sobre a importância da participação do Brasil na normalização internacional, pois para o nosso pais ser competitivo no cenário internacional é essencial que algumas normas e  práticas brasileiras sejam aceitas e incorporadas às normas internacionais e regionais. Estas normas estão, com frequência crescente, sendo integralmente adotadas como normas nacionais pelos países ou estão sendo utilizadas como base para procedimentos de avaliação da conformidade. Desta forma, além de podermos proteger o comércio, defendemos e atendemos também os interesses e necessidades da sociedade em geral, em particular micro e pequenas empresas e os consumidores.

A não participação poderá ter implicações numa eventual criação de barreiras técnicas ao comércio, gerando alto custo para adaptação das indústrias brasileiras; risco de menor participação no comércio internacional; criação de normas internacionais sem a possibilidade de defesa dos interesses brasileiros; papel secundário em esforços de convergência regulatória; impossibilidade de o país adotar normas internacionais ISO e IEC; e cancelamento das normas ISO e IEC já adotadas pela ABNT, com a consequente ocorrência de problemas relacionados à certificação e acreditação que utilizam essas normas.

Além disso, as normas são a base para a inovação e contribuem para aumento da qualidade e da produtividade e, como consequência, permitem que as empresas sejam mais competitivas, facilitando a sua internacionalização e o acesso aos mercados, ou seja, desempenham papel fundamental no auxilio à implementação de políticas publicas.

Ressaltamos a importância da Abiquim publicar no informativo da Frente Parlamentar da Química, edição abril/maio de 2018 a nota “A importância da normalização internacional e o apoio do governo”, sendo a primeira entidade a indicar a importância desse tema junto ao Congresso Nacional.

Confira abaixo a nota publicada: